Culturas de Alimentos Vivos
  Infusórios : São pequenos animais unicelulares (protozoários) da CLASSE CILIATA (1. cilium , cílio), " infusória " ou ciliados. São em geral microscópicos, embora alguns, como o Paramecium caudatum , possam ser vistos a olho nú. Existem 8 a 9 espécies do gênero Paramecium .

Constituem a alimentação predileta dos alevinos logo que termina o suprimento alimentício do seu saco vitelino, com o qual já nascem e que se destina a alimentá0los nos primeiros dias de vida. Os infusórios são, mesmo, indispensáveis aos alevinos nesse período.

Na realidade, o termo " infusórios " significa somente os protozoários ciliados ( Ciliada ), abundante nas águas doces e salgadas, desde que ricas em substâncias vegetais em decomposição. São seres microscópicos unicelulares, como o já mencionado Paramecium , que mede 0,15 a 0,3mm.
Os criadores e aquaristas, no entanto, estenderam esse termo para designar todos os animais microscópicos que se encontram nas infusões e que servem para alimentar peixes e outros animais. Os rotíferos, por exemplo, são por eles chamados de infusórios quando, na realidade, nada têm a haver com eles, sob o ponto de vista zoológico.
São encontrados, normalmente, em águas paradas, brejos, etc.
Como sua cultura é simples e fácil, é preferível mantermos uma cultura de infusórios pois, assim, poderemos contar com um fornecimento normal e regular para a alimentação dos nossos animais, a fazermos sua captura em seu ambiente natural, pois há sempre, não só o perigo de uma interrupção no seu suprimento, como também a possibilidade de coletarmos os infusórios, em água poluídas ou contaminadas, o que poderia trazerproblemas para o criador e suas criações. Podemos iniciar uma cultura de infusórios colocando em uma água limpa, contida em um frasco, um pouco de água com infusórios, tirada de outra cultura já estabilizada ou, então, adotando o método que se segue.

CULTURA DE INFUSÓRIOS

Basta pegarmos um recipiente com água já decantada 4 a 5 dias e nela colocarmos algumas folhas secas de alface ou de cove. Poderemos usar, também, folhas de outros vegetais; rações para peixes; grãos de cereais como trigo, etc.

Podemos obtermos uma infusão, fervendo feno de alfafa, na água, os alimentos mencionados anteriormente ou, então, extrato de fígado. Podemos, ainda, pingar algumas gotas de leite dentro da água.

Eles se multiplicam rapidamente e em grandes quantidades e em alguns dias, 3 ou 4, já podemos encontrar, na infusão, milhões de seres ou infusórios. Quanto mais alta a temperatura, maior será a velocidade de reprodução e de crescimento dos infusórios.

A iluminação não deve ser intensa, para evitar uma proliferação exagerada de algas.

Mesmo a água limpa, quando colocada, fica turva durante 3 a 4 dias e depois volta à sua cor clara, normal. Isto significa que as bactérias e infusórios estão se desenvolvendo, o que fazem muito rapidamente, quando as condições lha são favoráveis. Os alimentos devem ser colocados quando a água se torna novamente clara.

Os paramécios se alimentam de bactérias, algas, protozoários pequenos e fermentos.

 

COLETA

A coleta dos infusórios é feita com uma pipeta ou tubo de vidro, pelo qual eles são aspirados e depois passados para o aquário ou outro tanque em que sejam necessários.

É preciso que, todos os dias, seja substituída toda a águaretirada com os infusórios ou perdida pela evaporação.

Devemos colocar, também, umas 3 a 4 gotas de leite ou uma pitada de ovo em pó, para a alimentação dos infusórios.

•  Artêmia sp:

•  Microverme: Para as pessoas iniciantes na aquariofilia e que têm prazer em um aquário bem equilibrado com peixes compatíveis e plantas sadias, não poderá de dispor de alimentos vivos, entre vários, o do microverme.

O filhote de hoje para ser um adulto amanhã em perfeitas condições biológicas, precisa de alimentos vivos. O microverme é bastante utilizado pela sua grande facilidade de ser manter uma cultura. A experiência mostrou que peixes bem alimentados, desde o inicio de seu nascimento, se torna grandes reprodutores, quando não exemplares dignos de uma exposição ou concurso.
O microverme é um verme muito pequeno de forma cilíndrica em torno de 3mm de comprimento, sendo rico em proteínas e gorduras.
Até 15 dia de vida do alevino, o microverme é uma grande solução alimentar, uma vez que, neste período, o filhotinho é muito frágil e não sabe disputar a comida com outros. Após este período, acrescenta-se os náuplios dáfnias e enquitréias

Como fazer uma cultura de microverme ?

Faz-se uma mistura de flocos finos de aveia com água, mexendo bem até ficar um amassa homogênea. Espera-se por 5 minutos para que a água se absorvida pela aveia. Se ficar na consistência de mel, que é o ponto ideal, coloca-se esta massa em vários potes plásticos de manteiga ou margarina, de modo a ter 2 cm de espessura. Por último pinga duas gotas de Vitagold ( produto utilizado, à base de vitaminas, em bebedouros de passarinhos) ou Protovit plus (polivitaminico infantil).

Depois desta operação, é só colocar uma pequena porção de massa de uma cultura de microverme dentro de cada pote e dar uma mexida. Para se manter as culturas em bom estado, necessário algumas preocupações:

•  Guardar em local seco e escuro a uma temperatura acima de 26 o C.
•  A cada 3 ou 4 dias dar uma mexida para expulsar os gases que se formam.
•  A cada 15 dias iniciar novas culturas, pois ela dura em torno de 60 dias.
•  Manter a tampa bem fechada para evitar contaminação.

Há que faça da própria cultura de microverme a proliferação de larvas de drosófilas, bastando deixar a tampa aberta. Logo aparecerão umas minhoquinhas brancas e gordinha que são muito apreciadas pelos Lebistes/Guppies e Bettas.

•  Enquitreia (Enchytraeus albidus) : C omo suplemento alimentar é um verme branco parecido com uma minhoquinha e bastante apreciado pelos Lebistes/Guppies e Bettas em fase adulta.
Nós a utilizamos apenas três vezes por semana no calor e diariamente no tempo frio, uma vez que ela apresenta um certo teor de gordura.
Este verme normalmente é condicionado num recipiente de plástico com uma massa homogênea de aveia em flocos finos com água, numa consistência parecida com o mel. Mas também pode ser criado com miolo de pão embebido em leite, ração para cachorro em pó e em rodelas de batatas cozidas.
Se adicionarmos à cultura apenas três gotas de Vitagold (vitamina utilizada na água de pássaros) ou Protovit plus (polivitaminico infantil), as enquitréias vão se alimentar com os benefícios das vitaminas, o que, conseqüentemente, será transmitido aos peixes.

Exemplo de uma cultura de Equitréias em caixa de isopor.
Também como o microverme, a cultura de enquitréia (macroverme) é tão fácil de se fazer como perpetuá-la.
Compra-se o carvão ativado ou vegetal deixando afundar dentro de um balde com água limpa. Quando isto acontecer, lava-se bem até a água ficar completamente limpa sem impureza alguma. Coloca-se em potes vazios de margarina ou isopor. Mediante uma cultura de enquitréia já bem estabilizada, introduzem-se as "minhoquinhas" nas novas culturas preparadas e diariamente pulverizadas com aveia em pó sem colocar a lâmina de vidro. Isto durante uma semana ou até a cultura recém feita se reproduza bastante.

Após então, coloca-se uma lâmina de vidro de 2mm sobre o centro e passa-se a alimentar a cultura ma vez por dia, de modo a não sobrar aveia.
Caso coloque mais do que o necessário, não dar mais até desaparecer completamente a aveia.
Uma cultura de enquitréia bem tratada pode durar a vida toda, porém, ela deve ficar sem água ou seca por cima, mas com água no fundo.
Como suplemento alimentar, a enquitréia vem enriquecer o cardápio que todo criador de peixes em aquário deve ter para uma melhor performance de seus peixes.
•  Dáfnias, moinas e rotíferos: Se você está pensando em reproduzir peixes ovíparos em qualquer escala, como é o caso do Bettas, Colisas, Tricogaster entre outros, comece a desenvolver seus conhecimentos sobre dáfnias e rotíferos.
Os rotíferos são minúsculos animais presentes no plâncton, microscópicos na sua maioria podendo alcançar dimensões que nos permitam visualizá-los a olho nu sob a forma de uma "nuvem" constituída de pequeníssimas partículas.

Eles são encontrados, geralmente, quando os criadores de grande escala através de tanques preparam outros tanques só para a criação de dáfnias/moinas.
Na preparação para a criação de dáfnias nós colocamos esterco de galinha, esterco de boi ou de codornas acrescido de folhas de alface secas, pequena quantidade de farinha de peixe, leite em pó desnatado, açúcar e principalmente sangue de galinha. Não esquecendo de incluir também uma certa quantidade de dáfnias/moinas.

Com este verdadeiro coquetel de alimentos numa água esverdeada (influência do sol direto) "aparecerão" dáfnias, larvas de mosquito, ciclops e os rotíferos.
A reprodução dos rotíferos pode ser assexuada (partenogênese) ou com a participação do macho. Praticamente, toda a população é composta de fêmeas, existindo um número bem reduzido de machos. Os machos são menores que as fêmeas e têm um período de vida de apenas 2 a 3 dias.

Dos ovos fecundados pelos machos podem nascer machos e fêmeas, ao passo que no processo de partenogênese (sem a participação do macho) nascem apenas as fêmeas e é justamente isto que ocorre na maioria dos casos.
Há grande diferença de tamanho, formato e hábitos entre os diversos grupos de rotíferos; mas, uma característica típica entre eles é a presença de uma "coroa" de cílios ao redor da boca. Os cílios movimentam-se formando um turbilhão na água.
Os rotíferos se alimentam de pequeníssimas partículas de material orgânico em decomposição e de outros seres vivos menores que os próprios rotíferos, como por, exemplo as bactérias, algas e outros infusórios.
Com a utilização dos rotíferos no cardápio dos alevinos, criadores obtêm um aproveitamento de mais de 80% da prole dos ovíparos e a um custo insignificante, se comparados a outros alimentos específicos para o tamanho dos filhotes. Em alguns casos de ovíparos, como o do Betta, que é o que criamos, eles são usados com sucesso absoluto, levando os alevinos à maturidade sexual em apenas 40 a 60 dias alimentando-se exclusivamente de rotíferos.

Vale a pena pagar para ver... é uma questão tão somente de "checar".