Dicas Importantes para Melhorar a sua Criação
 

•  Como iniciar uma criação: Primeiramente o iniciante deverá ter um certo conhecimento em genética (Lei de Mendel), prática no manejo tal como identificar as doenças antes que as mesmas se instalem completamente no aquário, ter o conhecimento do tratamento das principais doenças tais como íctio, parasitas, oodinum, saber variar a alimentação usando corretamente os diversos tipos de alimento nas devidas quantidades e vezes ao dia e conhecer bem os hábitos da espécie a ser criada, melhores formas de cruzamento, variedades, PH, DH, temperatura ideal, luminosidade ideal, etc.
Após dominar estes conhecimentos o iniciante estará apto a iniciar sua criação. Para aqueles que ainda não dominam todas estas variáveis aconselho a adquirir livros específicos de cada assunto, ler muito e estar sempre aprimorando os conhecimentos aliando a teoria a prática como tudo nesta vida.

1º passo : Caso o iniciante opte em criar lebistes/guppies o passo inicial é a aquisição de boas matrizes . Estas deverão ser puras e adquiridas de criador idôneo pois cada linhagem tem suas características próprias e melhor forma de cruzamento e seleção. É primordial o iniciante saber estes dados e optar pela linhagem que melhor lhe cabe pois existem linhagens mais fáceis e difíceis de serem mantidas e aprimoradas. O melhor é a aquisição de dois trios (2 machos e 4 fêmeas) ou dois casais, sendo que estes deverão ser primos entre si não havendo assim muita consangüinidade (para linhagens fixadas evite cruzar irmãos).
2º passo : Desta forma para cada linha deverá se ter 2 aquários (1 para cada trio ou par). Assim ao nascerem as crias o criador deverá separar cada uma em aquários próprios marcando a data de nascimento e o aquário de origem.
3º passo : De um a dois meses dependendo da linhagem (existem linhagens que se desenvolvem sexualmente mais rápidas que as outras) no máximo o criador deverá separar os machos das fêmeas pois assim ele evitará que machos com menor potencial fertilize a fêmea.
4º passo : Após 3 meses de idade ele já deverá por para cruzar os melhores machos com as melhores fêmeas evitando sempre o cruzamento entre os irmãos, trocando-se assim as matrizes.

•  Como deverá ser o setup: Para cada linhagem o criador deverá ter no mínimo 10 aquários. 1 para matriz A, 1 para matriz B, 1 para filhotes ate 2 meses de A, 1 para filhotes até dois meses de B, 1 para jovens machos de A, 1 para jovens machos de B, 1 para jovens fêmeas de A, 1 para jovens fêmeas de B, 2 para separa fêmeas grávidas.
O melhor e separar cada cria em 1 aquário assim o criador saberá de quem é a cria, qual filhote esta crescendo mais, qual será o futuro campeão e matriz.
O melhor e ter aquários padronizados para cada tipo. Alguns criadores dizem que o lebiste/guppy não necessita de aquários com muita altura, pois ele assim terá condições de ter uma maior cauda . Meus aquários tem no máximo 30 cm de altura mas estes acham que o aquário deverá ter no máximo 20 cm de altura. No meu caso não percebi diferença entre ambos pois na minha opinião o que vale é a pureza da linha pois se ela é boa mesmo os peixes ficarão sempre muito belos e vigorosos. Aconselho a não ultrapassar 30 cm de altura. As demais variáveis deverão ser de acordo com o espaço e a meta de cada criador. No meu caso tenho aquários de 35 a 55 L para matrizes, até 20 L para filhotes recém nascidos e 40 L para jovens. A criação em caixas d'água tem suas vantagens e desvantagens. Uma vantagem seria o espaço porém o manejo e identificação dos peixes e possíveis doenças fica difícil, pois quanto mais pura a linhagem mais fraca e suscetível a doenças ela se torna. Devido a esta razão os bons lebistes/guppies desapareceram do mercado pois é muito mais fácil criar barrigudinhos ou garaús que são fortes , férteis e terrivelmente inferiores do que uma linhagem pura , mais fraca e menos fértil. Muitos que tentaram criar em tanques linhagens puras com meses ou até dias perderam toda criação por motivos diversos tais como doenças , quantidade de alimento inadequado , cruzamentos indesejáveis , predadores naturais , mudança brusca de temperatura ou mesmo chuva ácida.
Muitos questionam se aquários ligados em série seria boa opção por terem como fazer uma cascata renovando assim a água constantemente. Existem pontos a favor e contra este tipo de setup, o positivo é a renovação da água constantemente, os negativos são :
Caso a água por alguma razão saia suja , com temperatura diferente ou PH (chuva), com agrotóxico ou outro agente químico não precisa nem falar no que vai dar;
Se por acaso um peixe amanhece doente, com bactéria, verme ou mesmo íctio em poucos minutos tudo irá "por água a baixo" no sentido duplo da expressão.
Caso um macho ou fêmea passe de um aquário para outro irá assim ser inseminada ou inseminar os habitantes do outro aquário, contaminando assim a seleção genética e às vezes até levando a linhagem a declínio. Caso o criador opte por este ou outro dispositivo desaconselhável , deverá se preparar para estes imprevistos e tentar controlar ao máximo estas variáveis.

•  Cuidado com os filhotes: - Procedimentos necessários do nascimento aos primeiros 15 dias de vida dos alevinos:
Após o nascimento dos alevinos, a primeira coisa a se fazer e retira-los do aquário onde estão com a mãe ou da chocadeira e separá-los em um recipiente se possível transparente ( pode ser garrafa descartável cortada tipo copo) e imediatamente deixar este recipiente boiando dentro do tanque a ser povoado por eles. Dentro deste copo eles se aclimatarão ao novo ambiente enquanto o saco vitelineo acaba de ser absorvido.
A primeira alimentação é muito importante e para induzir os filhotes a se alimentarem nada melhor do que alimento vivo .Muitos filhotes morrem de inanição por não se acostumarem a comer ração pois trata-se de um alimento seco e sem estimulo para eles. O melhor é a alimentação com náuplios de artémia ( melhor alimento) e paralelamente poderá ser dado também microvermes. Alguns dão infusórios, porém estes sujam bem a água podendo assim trazer problemas futuros tais com fungos ou parasitas.

1º alimento: ofertar um pouco de náuplios para eles dentro do copo, cinco horas após terem sido separados, assim neste ambiente de pouco espaço eles acabam devorando os mesmos ( cuidado com excessos – tudo deve ser devorado até no máximo cinco minutos ) .

2º alimento: Após 6 horas da primeira alimentação inserir nova porção pequena de náuplios , podendo ser inserido também o microverme que até dura mais tempo vivo. Quinze horas depois soltar os filhotes no novo ambiente , já com filtro interno , água descansada e virgem , sem pedras e sem plantas . O aquecimento deverá ser constante em média de 28 ºC , PH de 7.0 a 7.2 e DH (Dureza Total) em torno de 1 (pode ser até 5 mas o ideal é uma dureza entre 1 e 3).

3º Calendário diário de alimentos: Para filhotes o alimento demora em torno de 30 minutos até ser digerido. Teoricamente podemos alimentá-los em pequenas doses a cada 30 minutos , porém o tempo gasto para isso é impossível para qualquer pessoa que tenha outra atividade. No meu caso eu dou em média 3 a 4 porções de alimento por dia:
•  às 7:30 AM
•  às 12:00 AM
•  às 17:00 PM
•  às 20:00 PM.
Estas informações parecem redundantes porém são variáveis aplicadas por diferentes criadores e decorem de suas experiências pessoais.
Procure variar ao máximo as alimentações. Nos primeiros 5 dias de preferência a alimentos vivos e no caso pode ser dado microvermes e artemias. Após 5 dias insira aos poucos ração bem fina. Compre ração de boa qualidade e bata no liquidificador e peneirando-a em malha bem fina. Dê ração em média 2 vezes ao dia. O restante continua sendo alimento vivo.
Esta provado que a maior mortalidade está nos primeiros 15 dias de vida, se o criador se ater a estes cuidados a perda poderá variar de 0 a 5% até estágio adulto. A primeira alimentação do dia é a mais importante por isso dê sempre o que há de melhor – Artemias .

4º Trocas de água: No caso dos filhotes, sabe-se que eles excretam um hormônio que inibe o crescimento do concorrente, pela própria lei de competição da natureza. Este hormônio permanece ativo na água. Um amigo, criador de acarás bandeira e discos fez a seguinte experiência. Em duas crias de acará bandeiras nascidas no mesmo dia ele colocou cada uma em um aquário distinto. Em uma ele trocou periodicamente a água em torno de 40 a 50% semanalmente .Em outro ele quase não efetuou a troca da água. O alimento era o mesmo e nas mesmas doses. Mesmas condições de luz, temperatura, PH, DH etc. Após 4 meses ele verificou que no aquário onde foi feita a troca parcial os peixinhos cresceram uniformemente todos basicamente do mesmo tamanho , em compensação no aquário onde não foi feita a troca parcial , os peixes estavam disformes em tamanho , alguns poucos do tamanho dos peixes do outro aquário e a maioria menor com dimensões variadas. Nos guppies acontece o mesmo até a fase final de crescimento que gira em torno dos 7 meses de vida.
Concluímos então que a presença deste hormônio inibe o crescimento dos filhotes. Por isso é necessário a troca de no mínimo 40% da água semanalmente. Existem criadores que trocam menores quantidades porém diariamente diminuindo assim o tempo para o crescimento até o estágio adulto. Outro fator importante para troca parcial é a retirada dos excrementos, evitando assim a formação de um ambiente propicio a proliferação de parasitas, fungos e bactérias ainda mais mortais para os alevinos.
A maior dificuldade é a troca parcial ou sifonamento do aquário dos alevinos recém-nascidos por serem pequenos e fáceis de serem sugados e também por estarem ainda na fase crítica de sobrevivência. O ideal e se fazer a primeira troca parcial com 12 dias de idade (fase em que eles estão mais resistentes a qualquer variação) por isso é necessário que a água do aquário em que eles foram inseridos ser virgem. Esta troca pode ser feita com mangueira fina ou mesmo uma mangueira normal com peneira na ponta para se retirar possíveis filhotes acidentalmente sugados. O filtro deve ser limpo a cada 15 dias .
Caso a pessoa queira alimentar os filhotes mais vezes ao dia não existe nenhuma contra indicação, muito pelo contrário, assim ele aumentará a velocidade de crescimento dos mesmos devendo se ater somente a dois cuidados especiais:

1. Excessos de alimento podendo trazer assim problemas intestinais aos alevinos;

2. Cuidados especiais com a água , devendo assim aumentar a taxa semanal de troca parcial para 2 a 5 vezes dependendo do número de vezes em que ele irá alimentá-los.

Alimentos como “ Patê de Gordon ” podem ser inseridos no cardápio desde que sejam de granulometria compatíveis ao tamanho da boca dos filhotes e após os 15 dias de idade (os excessos devem ser imediatamente sifonados para este caso, por se tratar de um alimento que se deteriora rapidamente e com ele a qualidade da água dos peixinhos).

Dimensões de aquários para os filhotes : O aquário dos filhotes poderá ter 20 cm de altura, a largura e o comprimento podem variar de 15 cm de largura ate 30cm a 40 cm de comprimento. Sabe-se que o mais importante é a área de superfície do mesmo . O tamanho é um fator que influencia no crescimento , pois quanto maior o tamanho , mais rápido é o crescimento . Porém em aquários muito grandes , além da dificuldade de espaço existe o problema do manejo do mesmo. Se o criador fizer as trocas parciais e seguir o cardápio alimentar a risca, a diferença de crescimento de um aquário para um tanque são pequenas, não compensando a perda de espaço. Porém se o criador tiver condições de ter tanques maiores, aconselhamos que os filhotes sejam soltos após a separação de sexo dos mesmos, em torno de 2 meses de vida (pode ser de 1 a 2 meses depende da linhagem e do tipo de cuidado, as vezes um aquário com determinada linhagem matura sexualmente mais rápido que em outro, para isso observa-se se o gonopódio do machinho já está desenvolvido, se ele já corteja as feminhas e se as cores das nadadeiras e corpo dos mesmos estão coloridas). Assim eles poderão crescer sem perigo de serem inseminados por peixes de qualidade inferior. Muitos criadores usam tanques imensos para criação de guppies porém se o cuidado da separação de sexos e seleção genética não for tomado, em poucas gerações ele perderá todo potencial genético de sua linhagem.